wp74145cfc.png
wpad1fee0d.png
karate
wp6c93e751.png
wp634b1e2c.png

O que é Karate?

Como podemos defini-lo?

 

Karate é uma arte-marcial japonesa.

É uma forma de luta, na qual o praticante utiliza seu próprio corpo — mãos, pés, cotovelos e joelhos — como arma.

A palavra Karate é uma palavra composta que traduzida do japonês, significa "mãos vazias", isto é, sem armas.  Muito embora inicialmente quando criada a palavra pelo mestre Funakoshi para definir a sua arte, os Kanji, embora se pronunciassem da mesma forma, significavam “ mão China”. Mas como tal era negativo para a expansão e divulgação da arte na ilha principal do Japão, o Kanji foi alterado para “mão vazia” que se pronuncia da mesma forma mas é escrito e tem significado diferente.

E também este significado de “ vazio “, muito embora o karate seja uma arte de corpo a corpo predominantemente de forma desarmada, tem um significado muito mais amplo e esotérico.

Vazio mas de intenção, como o estado que se pretende atingir durante a meditação, designado de Mushin “ mente Vazia”.

A palavra "vazio" deve ser entendida pelo seu significado "ZEN", que lhe confere uma muito maior profundidade.

Diz um antigo ensinamento "ZEN" "Seja vazio como um bambu oco, e o sopro do espírito fará de si uma flauta" É o vazio interior, o domínio do ego que conduz ao conhecimento superior.

Não é sem motivo que as artes-marciais muitas vezes foram criadas e sistematizadas por monges ou tem uma componente filosófica/religiosa importante e marcante. No Caso do Karate, de forma geral, é predominante o pensamento do budismo Zen.

 

As formas de combate humanas são tão antigas quanto o próprio homem.

Os homens primitivos certamente tiveram formas instintivas de defesa contra animais " na luta pela sobrevivência!'  O Karate como outras Artes Marciais é uma sistematização e um estudo feito ao longo de gerações sobre como melhor sobreviver num confronto. Tem uma serie de pressupostos onde assenta o seu treino e que visam preparar o praticante para em caso de necessidade ter ferramentas adequadas para se defender de forma eficaz.

 

Muitos acreditam que o Karate é originário da China. O que é verdade até um certo ponto e de uma forma redutora. Na realidade, porém, teve suas origens na índia. Mesclando estilos de lutas da Pérsia, China, índia, e baseado nas observações dos movimentos dos animais.

Não podemos separar a arte de lutar, do desenvolvimento espiritual.

E é certo que o precursor do Karatê foi o mesmo que fundou o Zen-Budismo.

O nome dele é Bodhi-Dharma, que viveu por volta do ano 520 D.C. E originário da India.

Muito conhecido no Oriente, reza a lenda que, foi convidado pelo imperador chinês da época, para levar seus conhecimentos à China.  O que fez e segundo a lenda neste processo de ensino dos seus conhecimentos de Budismo criou a escola de Kug-Fu Shaolin. Esta escola e os seus monges utilizavam o treino físico e marcial para desenvolverem a sua espiritualidade e atingirem o Satori, ou iluminação. A escola de Shaolin cresceu ao longo de séculos e imensos estilos e sistemas foram criados. Atribuísse a esta escola uma grande influencia em varias outras Artes Marciais orientais e nomeadamente no Karate.

 

Mas foi no Japão mais precisamente numa ilha do sul, Okinawa, que o Karate foi definitivamente sistematizado como a luta das mãos livres, ou melhor, sem armas.

A história conta que o Rei Hasshi, para evitar as revoltas, proibiu o uso de armas. Isto fez com que o povo se dedicassem com ardor a aprender técnicas de combate sem armas ou com ferramentas normalmente utilizadas para outros fins como o da Agricultura.

Foi nesta fase que houve uma renovação das formas de combate. Surgiu então o Okinawa-te. Tendo existido duas linhas dominantes, de duas regiões diferentes da ilha. O Naha-Te da cidade de Naha e o Shuri-te da cidade de Shuri. Diferentes na forma e princípios que aplicam. E de certa forma é natural se tivermos em conta que o Kung-Fu de Shaolin tinha imensos estilos e sistemas e que poderiam ter sido introduzidos dois ou mesmo mais bastante diferentes nas duas partes da ilha vindos da China.

 

Nesses tempos, os treinos eram secretos e os alunos escolhidos treinavam firmemente e, como as armas eram proibidas, procurava-se fazer com que as mãos e os pés fossem armas tão perigosas quanto as convencionais.

Aprimorava-se a técnica, a utilizar também joelhos, cotovelos e procurava-se aumentar, cada vez mais, a velocidade e a potencia do impacto.

O Karate moderno foi depois refinado como um DO (via) e divulgado por Funakoshi, por volta de 1916, após ter estudado muitos anos na ilha de Okinawa. E nessa altura contou ainda com o apoio de vários outros mestres de Tode, como era chamado, no desenvolvimento e divulgação da arte de Okinawa no Japãp. Choki Motubo que nunca fundou um escola, Kenoa Mabuni e Chogu Myagui são alguns nomes famosos e relevantes.

A partir daí, surgiram os grandes estilos de Karate. Mas basicamente a filosofia e a luta são as mesmas,

variando um pouco somente a forma.

Talvez a excepção possa ser feita à Wado-Ryu, que, dos considerados quatro grandes (Shoto/Goju/Shito/Wado),  é a única que não tem as suas raízes profundas no Okinawa-te mas sim no jujutsu. Ou contrario dos outros estilos, que são puros na sua origem de Okinawa e nos seus princípios, a Wado é criada a partir de uma escola de Jujutsu incorporando técnicas, conceitos e métodos de Okinawa-te.

 

Após a segunda guerra mundial, o Karate espalhou-se para o mundo. Muitos jovens universitários praticantes de Karate no Japão são enviados para o Ocidente com vista a divulgar e expandir o ensino de Karate em todo o mundo. E esta expansão continua!

Uma clara vantagem do Karate sobre outras artes é o seu método de auto ensino, incorporado nos Katas que são praticados sozinhos, na sua disciplina e forma de condução do treino que permite ensinar muitos alunos simultaneamente e de forma sistemática, e no pragmatismo das suas técnicas que permitem a obtenção de melhorias significativas na capacidade de auto-defesa de um individuo num espaço de tempo relativamente curto.

 

O Karate é "Budo". Budo é uma palavra japonesa que significa: "O caminho das Artes Marciais".

Para os orientais, trilhar um caminho significa a busca inatingível da perfeição. Karate-do, o caminho das mãos vazias. O Karate busca o equilíbrio físico, mental e espiritual, e dá ao seu praticante grande poder físico que só deve ser usado em situações extremas.

Por outro lado, dota o praticante de um grande auto controle de seus actos. Desenvolve além de tudo as qualidades interiores; persistência, determinação, auto controle e confiança.

Muitos vêem no Karate uma forma de potenciar a violência e agressividade de uma pessoa.

Não se pode negar que há quem haja assim.

Porem, a grande maioria que atinge os graus mais elevados, acaba desenvolvendo qualidades interiores admiráveis pois, como é opinião da Bushikai, o Karate é — simultaneamente — o aprimoramento do corpo e da mente.

O Karate não se aprende em alguns anos. Não é como um curso normal académico. Disse uma vez um Mestre a um discípulo ao receber o cinto negro:

"O Karate começa agora, estás em condições de, finalmente, começar a aprender".

Disto transcorre algo de interessante no Karate. Nos graus inferiores, aprende-se a criar condições pessoais para poder então, aprender Karate. Tem de aprender uma cultura nova, uma forma de estar, uma disciplina, uma doutrina, etc. Todo este processo é interessante e é também de alguma forma um processo de selecção em funcionamento. Só os mais persistentes, os mais determinados, os mais honestos e leais, os mais dedicados os mais inteligentes conseguiram superar todo o processo de aprendizagem que é necessário para chegar a cinto negro. Todos os que querem aprender “uns truques”, terão muita dificuldade para suportar a dedicação, monotonia e existência requerida por horas e horas de repetições de uma técnica, de um Kata, do seu auto-conhecimento e auto-dominio. Efectivamente podem aprender a dar melhor um murro ou um pontapé com alguma rapidez, mas o conhecimento profundo e o olhar capaz de encarar qualquer adversidade não estará lá. Desta forma, o Karate de alguma forma assegura que, e claro que o instrutor também tem parte activa neste processo pois apenas deverá ensinar aspectos mais sensíveis a alunos que tenham demonstrado capacidade e rectidão necessárias, o conhecimento e a habilidade para ferir os outros não seja transmitida de forma leviana e colocada ao alcance de pessoas que poderiam utilizar esse conhecimento para fins menos correctos.

Não há limite de aprendizagem, a arte de lutar como todas as outras artes não tem limites. Karate não é um desporto, é acima de tudo uma Arte, uma Arte Marcial, onde envolve o treino físico, mental e espiritual, que é assimilado pelo praticante, durante muito tempo de treino.

No entanto, o lutador precisa ser rápido, ágil, agressivo na hora certa e saber, o que é o principal, até onde vão seus limites. Acreditar e saber o que e quanto pode fazer é o mais importante. Nunca temer e nem demonstrar cansaço para os adversários Deve ganhar o combate com "Ki", e o olhar, o olhar não pode ser morto, antes tem que ser penetrante.

"Quem teme perder já está vencido" mas com a prática do Karate, o praticante vai sentir ao longo do processo de treino um maior controle sobre seus actos, sobre os seus movimentos, sobre o seu corpo.

De uma forma mais esotérica e Zen, o praticante vai adquirindo paz interior, e poderá entrar em equilíbrio com o Universo. O praticante vai sentir na própria vida, um poder que em potencial todos temos, mas poucos conhecem: estar em harmonia. E essa harmonia, não é uma harmonia pseudo pacifista, mas a harmonia de que se o seu espaço for quebrado de forma violenta reagirá com igual violência para entrar em harmonia e restaurar o equilíbrio.

Em consequência disto, os momentos de nervosismo são facilmente controlados, sentimentos de inferioridade ou superioridade, e os complexos deixarão de fazer parte do praticante sério e dedicado.

Nos adolescentes isso ajuda a definir com mais firmeza a personalidade que ainda está em formação. Dessa forma, o Karate, antes de aumentar a agressividade, faz com que seu praticante seja mais consciente de seus actos.

 

O  Karate é também um desporto. No entanto um desporto paralelo, pois muito embora tenha uma componente desportiva, cada vez mais acentuada, e que é salutar e benéfica se praticáda com honestidade e com o propósito de proporcionar aos praticantes de Karate porem à prova as suas capacidades adquiridas num ambiente de confronto controlado. Isto nem sempre acontece e cada vez mais o Karate está a perder a sua vertente marcial e a tornar-se apenas num desporto, nem sempre bem conseguido e com uma expressão reduzida, pois as regras são demasiado complexas para serem entendidas por quem não está profundamente envolvido no mundo competitivo e como tal incapaz de movimentar pessoas que nada tem a ver com isso apenas para assistirem a uma boa competição.

Apesar disso o Karate na visão desportiva, é uma excelente actividade física pois:

é multilateral, ou seja, desenvolve o atleta tanto do lado direito, como do lado esquerdo.

A preparação física do Karate desenvolve os reflexos, a velocidade, agilidade, flexibilidade, resistência e força explosiva. O lutador tem que ser ao mesmo tempo forte e veloz.

A coordenação de movimentos é desenvolvida e todos os membros devem ser usados e de forma dissociada ou seja em movimentações independentes.

Os reflexos devem ser apurados mediante treino específicos e desenvolvidas as capacidades de coordenação entre o ver e o executar.

O tempo ideal de treino é em torno de 1 1/2 horas por dia, sendo: 30 minutos de preparação física e aquecimento, 30 minutos de técnicas de base (Kihon) e 30 minutos de aplicação.

 

No Karate competitivo:

Um combate tem duração de 3 minutos em que um praticante deve sobrepor-se  ao adversários mediante a aplicação de golpes previamente convencionados em áreas previamente designadas com timing, precisão e forma correctas.

O contacto é permitido mas apenas de forma controlada e sem nunca visar o dano intencional do adversario. Excesso de contacto é penalizado e eventualmente Quando esse excesso ocorre de forma grosseira e intencional, a desclassificação pode ser imediata.

 

Muitas pessoas poderiam perguntar, se dois lutadores ágeis, bem desenvolvidos técnica e fisicamente, como um consegue defender e contra-atacar mais rápido que o outro?

Nos Estados Unidos foi feita uma pesquisa com alguns lutadores de Karate, que consistia em analisar as frequências cerebrais do lutador durante um combate.

Filmou-se várias lutas e paralelamente obteve se o gráfico das frequências cerebrais.

Notou-se que o lutador "percebia" o golpe do adversário antes mesmo de este ser dado, permitindo com isto que ele tivesse condições de defender e contra atacar antes mesmo que fosse atingido pelo golpe do seu oponente. Alguns estudiosos admitem que os lutadores de Karate, têm a facilidade de entrar na frequência cerebral em que este fica com capacidade de "perceber" essas intenções dos adversários até mesmo sem olhar directamente. Este é um dos objectivos das artes marciais, sentir o golpe antes dele ser dado. Isso Muitas vezes isto ocorre automaticamente, sem que o próprio se aperceba ou tenha consciência de tal facto.

Talvez a explicação seja mais simples, ou pelo menos a um nivel mais basico, a de que o desenvolvimento de reflexos e percepção que acontece na pratica de Karate permite ao seu praticante, perceber mais rapidamente e com maior sensibilidade através da sua visão, a postura corporal e os mais leves movimentos iniciais do adversario e reagir rapidamente e antes mesmo da acção de ataque começar.

 

O Karate é parte integrante do Eu; desenvolvimento harmónico da mente, corpo e espírito faz sentir o ilimitado e profundo sentimento de vida, o caminho da VIDA...

"Vida é movimento, um movimento infinito, não existe presente, passado nem futuro, nem viver nem morrer.

O verdadeiro modo de vida não ideológico, mas o real, é cada minuto de nossa existência diária, onde não haja contradição, oposição ou fragmentação, em que o próprio "VIVER SEJA ACÇÃO COMPLETA".